voltar à página principal

 

AMBIENTE, D. R. (1997). Guia das Aves Marinhas dos Açores. Direcção Regional do Ambiente. Horta.

AMBIENTE, D. R. (1999). Açores, Terra, Mar e Fogo. Circuitos de Interpretação nas ilhas do Pico, S. Jorge e Faial. 10º Encontro Nacional de Educação Ambiental/ 2º Encontro Regional Açores. Direcção Regional do Ambiente. Angra do Heroísmo.

BETTENCOURT, M. (1996). Contributo para a Avaliação e Caracterização Ecológicas das Reservas Florestais Naturais da ilha do Pico. Relatório de Estágio. Departamento de Ciências Agrárias da Universidade dos Açores. Ciclostizado. Angra do Heroísmo.

BURNIE, D. et al (2002). Grande Enciclopédia Animal. O mais completo guia visual da Vida Selvagem. Editora Civilização. Mondadori. Itália.

CEBALLOS, A.; CASAS, J.(1982). Guias de la Natureza. Plantas Silvestres de la Península Ibérica. Rupicolas. H. Blume Ediciones. Madrid.

CEBALLOS, A.; CASAS, J.; BARMENDIA, F. (1980). Guias de la Natureza. Plantas Silvestres de la Península Ibérica. H. Blume Ediciones. Madrid.

DIAS, E. (1989). Flora e Vegetação Endémica na ilha Terceira. Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica. Departamento de Ciências Agrárias da Universidade dos Açores. Ciclostizado. Angra do Heroísmo.

DIAS, E. (1996). Vegetação Natural dos Açores. Ecologia e Sintaxonomia das Florestas Naturais. Angra do Heroísmo.

DIAS, E. et al ( ). Natura 2000, Standart Data Form, for Special Protection (SPA), for Sites Eligible for Identification as Sites of Community Importance (SCI) and for Special Areas of Conservation (SAC).

EUROPEAN COMMISSION DG XI (1996). Interpretation Manual of European Union Habitats. Version EUR 15. Bruxelas.

FERNANDES, A.; FERNANDES, R. (1980). Iconographia Selecta Florae Azoricae. Fasc. I, II, III. Secretaria Regional da Cultura da R.A.A..Coimbra.

FRANÇA, Z.(2002).Origem e Evolução Petrológica e Geoquímica do Vulcanismo da Ilha do Pico. Câmara Municipal de São Roque do Pico. Pico

FRANCO, J.(1971). Nova Flora de Portugal (Continente e Açores). Vols. I, II. Lisboa.

FRANQUINHO, L.; COSTA, A. (1999). Madeira. Plantas e Flores. 17ª Edição. Porto.

GOES, E. (1994). Dragoeiros dos Açores. Ribeira Chã, S. Miguel.

GONZÁLEZ, R. et al (2002). Los Helechos de la Reserva Natural Integral de El Pijaral. Gobierno de Canarias. Tenerife.

GOODERS, J. (1990). Temas e debates. Guia de Campo de Aves de Portugal e da Europa. Printer Portuguesa.

HALLIDAY, W. (1991). 6 th International Symposium on Vulvanospeleology. G. Thomas Rea Editor. Hilo, Hawaii.

HANSEN, A; SUNDING, P. (1993). Sommerfeltia 17. Flora of Macaronesia. Checklist of vascula r plants. 4. revised Edition.

JARDIM, R.; FRANCISCO, D. (2000). Flora Endémica da Madeira. Múchia Publicações. Setúbal.

MARTINS, R.; RODRIGUES, A.; CUNHA, R. (2002). Aves Nativas dos Açores. João Azevedo Editor. Viseu.

NUNES, J. C., (1996). Modelado das Regiões Vulcânicas. Açoreana, 8(2), pp. 241 a 270.

NUNES, J. C., (2002). Novos Conceitos em Vulcanologia: Erupções, Produtos e Paisagens Vulcânicas. Geonovas, n.º 16, pp. 5 a 22.

PALHINHA, R. (1966). Catálago das Plantas Vasculares dos Açores. Lisboa.

SCHÄFER, H. (2002). Flora of the Azores. A Fielg Guide. Margraf Verlag. Weikersheim.

SJÖGREN, E. (1984). Açores. Flores. H orta, Faial.

SNOW, D.;. PERRINS, C. (1998). The Birds of the Western Palearctic. Vols. I, II. Oxford University Press. Oxford, New York.

VIALLELLE, S. (2000). Dolphins and Whales from the Azores. Lajes do Pico.